Uma pequena entre as grandes
26 de dezembro de 2016
Gerenciar riscos internos é a saída para empresas reduzirem custos com seguros em 2017
26 de dezembro de 2016

Falta de cultura de risco pode impactar pequenos e médios negócios

Responsáveis por 27% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, o surgimento de pequenas e médias empresas tem sido maior principalmente em épocas de crise, devido ao aumento do desemprego e a busca por métodos alternativos de renda. De acordo com a pesquisa Global Enterpreneurship Monitor, realizada pelo Sebrae e pelo Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP), em 2015 a abertura de novas PMEs teve crescimento de 34,5% em comparação com o ano anterior.

Dados de mercado apontam que cerca de 70% dessas empresas não possuem qualquer tipo de seguro empresarial e os riscos envolvidos com a falta de cobertura podem comprometer completamente sua situação patrimonial. De acordo com Caio Timbó, diretor financeiro da LTSeg, ainda há falta de cultura de risco no Brasil, principalmente nesse mercado.

O executivo explica que o pequeno e médio empresário, de maneira geral, por falta de conhecimento, sempre considerou o seguro um custo, não um investimento em proteção. “Infelizmente, despesas não previstas podem gerar desde gastos financeiros e problemas judiciais até a suspensão das atividades por falta de recursos. Quando se trata de PMEs, a fragilidade se torna ainda maior”.

Timbó afirma que o papel da corretora é o de sensibilizar e fomentar a cultura de controle de riscos neste mercado, posicionando o seguro como uma solução para a longevidade das empresas. “Uma corretora com ampla experiência é capaz de analisar um pacote com soluções personalizadas, com coberturas aderentes ao nível de sua exposição e às particularidades de cada atividade”, explica.

Dentre os produtos mais simples, os pequenos e médios empresários necessitam de um seguro patrimonial, que cobre incêndios, roubo e danos elétricos, por exemplo. Porém, em muitas atividades é necessária a cobertura de responsabilidade civil, em decorrência da conscientização dos riscos envolvidos e da evolução do ambiente litigioso.

Fonte: L.S. Revista Apólice

Link para a matéria: http://bit.ly/2iv2WGC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.